26 de maio de 2017

Eu vivo esse momento lindo

Bom dia povo torcedor do clube que está em primeiro lugar no seu grupo na Libertadores e tem o melhor jogador pelo índice Footstats. E para completar, nosso time tem três jogadores entres os oito melhores.




Voltei porque o momento exige e para dizer que o Grêmio vive um momento ótimo e os secadores estão inconformados porque estão tendo que engolir.
Não tendo o que falar de mal do time, da direção e da Arena , esta semana já começou a campanha da ivi "Grêmio clube falido". Para esses, um beijinho no ombro e relaxem, pois estresse em demasia sobrecarrega o sistema cardiovascular. Queremos vida longa a todos os secadores para que curtam bastante a linda caminhada que o Imortal Tricolor irá trilhar em 2017 .

E para completar este post, uma mensagem do jogador Léo Moura nas redes sociais que demonstra o clima saudável que existe dentro do vestiário do Grêmio e a satisfação dos jogadores em participar da história desse clube grandioso.



25 de maio de 2017

Grande atuação, enfeite e resultado ruim

Grêmio 4 x 0 Zamora

Primeiro tempo: 3 x 0


Gastón Fernandez no lugar de Ramiro foi a novidade.
Aos 5 minutos, na primeira chegada, Lucas Barrios quase marcou. Chutou para defesa do goleiro.
Aos 10 minutos o goleiro venezuelano fez um milagre. Barrios de uma cacetada da marca do pênalti para uma defesa espetacular do goleiro. Na cobrança do escanteio nada aconteceu.
Aos 13:50 mais duas chances salvas por milagre pelo goleiro e pela zaga.
Pedro Rocha deu um presente para Barrios aos15:30 mas o chute da marca do pênalti foi para fora.




Barrios de novo, agora de cabeça, aos 17:50. E nova defesa milagrosa do goleiro.
Aos 19 minutos uma falta em Pedro Rocha na meia lua da área. Luan bateu na quina da goleira. Inacreditável.
A quantidade de gols perdidos preocupava até o mais tranquilo torcedor, mas aos 22 minutos Pedro Rocha fez uma grande jogada. Deu um elástico no adversário, entrou na área e deu para Luan na pequena área que empurrou para dentro. 1 x 0.
Aberta a porteira fica fácil. Aos 23 minutos Pedro Rocha lançou Gastón que entrou na área, olhou e com consciência meteu para Barrios fazer o que mais sabe: mandar para dentro da rede. 2 x 0.
Bruno Cortez entrou na área e foi atorado ao meio. Pênalti aos 28 minutos. Luan bateu com categoria no canto. 3 x 0.
E aos 29:40 Barrios perdeu um gol feito por preciosismo.
O time venezuelano chegou pela primeira vez aos 31 minutos. Chute forte mas para fora.
Aos 34 minutos Barrios pegou mal na bola e perdeu o quarto gol.








Enquanto Thor, o lhasa mala aqui de casa, me enchia o saco, o Grêmio perdeu mais três gol.




Aos 43 minutos foi a vez de Michel mandar um balaço de fora da área, mas a bola foi por cima.
E acabou o primeiro tempo.

.....

O adversário é fraco? É.
E daí? Ja cansamos de ver time fraco complicar.
O primeiro tempo foi de luxo e se tivesse sido 6 ou 7 a zero não teria sido um placar errado.
Os melhores? Gastón Fernandez, Luan e Barrios.


Segundo tempo: 1 x 0

O mesmo time voltou para o segundo tempo. Mas o ritmo era mais lento.
Jogo decidido permite tempo para algumas digressões:




Aos 12 minutos a primeira grande jogada do segundo tempo. Léo Moura cruzou e Barrios bateu de chapa mas a bola foi para fora.
O excesso de preciosismo fazia desperdiçar várias jogadas de ataque.
Mas aos 18 minutos La Gata Fernandez deu um passe espetacular para Pedro Rocha que driblou o goleiro e fez o quarto gol.
Aos 22 minutos o time da terra do (Podre de) Maduro deu um chute fortíssimo por cima.




Arthur saiu para a entrada de Fernandinho aos26 minutos.
Aí um isento tuitou e levou um direto no queixo:




Léo Moura cruzou e La gata cabeceou da marca do pênalti mas para fora.
E Pedro Rocha errou um gol na cara do gol aos 30 minutos. Chutou no goleiro. De novo.
Renato mandou a campo Everton e Leonardo.
Aos 36 minutos Fernandinho foi derrubado na área e o juiz deu o pênalti. Luan bateu com muita displicência e o goleiro defendeu. No rebote Luan e Everton quase se estapearam para fazer o gol e, obviamente, erraram.
Aos 40 minutos Pedro Rocha de novo entrou na cara do goleiro e quis enfeitar. Claro que errou.
Aos 43 minutos Leonardo sofreu uma falta e sentiu muito. Que não seja nada de mais grave.
E o jogo terminou sem acréscimo bem na hora em que Luan levou uma cacetada.

.....

Era jogo para 15 x 0. Não foi mais do que 4 porque houve muita firula no segundo tempo. Como disse o Carlos Miguel na Gremio Rádio Umbro, que não faça falta mais a frente.
O time jogou muito mas merece uma carraspana pela perda dos gols.
Como jogaram:

Grohe:
Olhou o jogo no primeiro tempo. E também no segundo. Nota 6
Léo Moura: Não teve trabalho atrá e foi muito bem na frente. Nota 7
Geromel: A firmeza de sempre. Nota 7
Kannemann:
 Para ele não interessa a fraqueza do adversário. Nota 7
Bruno Cortez:
 Está tomando conta da posição. Nota 8
Michel: A cada dia tem mais confiança para jogar. E joga melhor. Nota 8
Arthur:
Mais discreto do que nos jogos anteriores, mas mesmo assim foi muito bem. Nota 7
Gaston Fernandez: Sua melhor partida no tricolor. Aliás, o melhor em campo. Nota 9
Luan:  é um grande jogador. Craque. Mas perdeu um pênalti por displicência. Por isto vai ter redução de 3 pontos na nota. Nota 6 
Pedro Rocha: Uma grande jogada que permitiu a abertura do escore. Muito boa atuação, porém empanada pelos gols errados por excesso de enfeite. Só por isto merece uma nota 3 graus menor. Nota 5
Lucas Barrios: É paraguaio falsificado mas joga como se fosse um puro malt. Um Balvenie 12 anos. Nota 8

.....

Fernandinho (Arthur): Entrou bem e sofreu um pênalti
Nota 6
Everton (Gaston Fernandez): Não teve tempo para aparecer. Sem Nota
Leonardo (Léo Moura): Sofreu uma falta forte mas aparentemente sobreviveuNota 5

Renato Portaluppi: Este motivador sem conhecimento de técnica e tática me serve e muito.  Nota 8





_____

Arbitragem: 
Juan Albarracin, Ricardo Baren e Flavio Nall (Equador): Muito boa atuação. Nota 10 


_____

Enquanto isto...



24 de maio de 2017

Um time maduro

Foto: Grêmio - Lucas Uebel

Após a virada em cima do Fluminense na última quarta, a primeira partida de maior importância que tivemos no ano, comecei a fazer uma análise do atual time do Grêmio.
Aquelas análises que a gente faz depois de ganhar título (Copa do Brasil 2016), que só não poderia ter sido feita antes de forma mais concreta por estarmos disputando apenas o Gauchão (que pra mim não é parâmetro). Aquelas análises de torcedor, que observa e sente o time, mas que também não quer dizer nada em definitivo.

Faz muito anos que acompanho futebol (não vou dizer aqui quanto tempo pra não entregar a idade). Nesses anos todos vi tudo que é tipo de time ser campeão, e vi tudo que é tipo de grupo o Grêmio ter.
Mas o que vejo nesse grupo atual, é que é um time maduro. 
Dia 14/05 estreamos contra o Botafogo em casa pelo Campeonato Brasileiro, o adversário não é dos mais fortes do Brasil, mas tem um time competitivo e muito bem treinado. Foi difícil abrir o placar? Foi. Dificuldade imposta por eles, mas conseguimos manter a tranquilidade e padrão de jogo, e assim conseguimos sair com a vitória. Na quarta-feira seguinte jogamos contra o Fluminense, o jogo que impôs maior dificuldade até o momento. O Fluminense possui um bom time e um bom treinador - como eu disse no post pós jogo: gostem ou não do Abel, sempre teve bons trabalhos. Nós entrávamos em campo pelo primeiro jogo da Copa do Brasil 2017, em casa, pra defender o título. O time saiu perdendo logo aos 4 minutos de jogo. Poderia ter desestabilizado o grupo, ter mudado o rumo do jogo... Mas não. O time seguiu tranquilo e com padrão de jogo. No último domingo, o jogo foi na Arena da Baixada contra um adversário que sempre complica em sua casa: Atlético-PR. Não lembro de um jogo tranquilo naquele estádio, sempre tem dificuldade ou confusão. E nosso vitória por 2x0 foi com futebol maiúsculo!
Alguém pode então lembrar da eliminação para o Novo Hamburgo. Mas até nesse confronto o time manteve tranquilidade e padrão de jogo. O mérito nesse caso foi do adversário. Perdemos por outros motivos, não por falta de maturidade.

O título da Copa do Brasil deu ao grupo tranquilidade e experiência. Eliminações e derrotas em outras competições e campeonatos anteriores também deram ao grupo amadurecimento. Sim, as derrotas fazem crescer, são delas que surgem as vitórias.
Abaixo a história dos principais jogadores do elenco, onde podemos ver suas conquistas e tempo de Grêmio.


Marcelo Grohe: no Grêmio desde os 13 anos, subiu para o Profissional em 2005 e assumiu a titularidade em 2012. Campeão da Série B em 2005 e da Copa do Brasil em 2016.

Pedro Geromel: maior parte da sua carreira profissional foi na Europa. Passou por times em Portugal, Alemanha e Espanha. No Grêmio desde 2014. Campeão da Copa do Brasil em 2016.

Walter Kannemann: no Grêmio desde julho de 2016. Campeão do Apertura em 2013 e da Libertadores da América em 2014 pelo San Lorenzo e da Copa do Brasil em 2016.

Edílson: está na segunda passagem pelo Grêmio, contratado novamente em 2016. Campeão Brasileiro em 2015 pelo Corinthians e Campeão da Copa do Brasil 2016.

Léo Moura: contratado esse ano pelo Grêmio. Campeão Brasileiro 2009 e Bi-Campeão da Copa do Brasil (2006 e 2013) pelo Flamengo.

Marcelo Oliveira: no Grêmio desde 2015. Campeão Brasileiro Série B 2008 e da Copa do Brasil 2009 pelo Corinthians, Campeão Brasileiro Série B pelo Palmeiras e Campeão da Copa do Brasil 2016.

Douglas: está na segunda passagem pelo Grêmio, a primeira foi de 2010 a 2012. Campeão Brasileiro Série B pelo Criciúma em 2002, Campeão Brasileiro Série B 2008, Copa do Brasil 2009, Libertadores da América 2012, Mundial de Clubes 2012 e Recopa Sul-Americana 2013 todos pelo Corinthians, Campeão da Copa do Brasil 2016.

Gastón Fernandes: contratado esse ano pelo Grêmio, Campeão da Copa do Rei em 2005 pelo River Plate, Campeão da Libertadores pelo Estudiantes em 2009 e vários títulos Argentinos pelos times que passou (River Plate, Racing, San Lorenzo e Estudiantes).

Maicon: no Grêmio desde 2015. Campeão da Copa Sul-Americana 2012 pelo São Paulo e Campeão da Copa do Brasil em 2016.

Ramiro: no Grêmio desde 2013. Campeão da Copa do Brasil em 2016.

Miller Bolanos: no Grêmio desde 2016. Jogador da Seleção do Equador. Campeão da Copa Sul-Americana em 2009, Equatoriano em 2010 e da Recopa Sul-Americana em 2009 e 2010 pela LDU, Campeão Equatoriano em 2013, 2014 e 2015 pelo Emelec, e Campeão da Copa do Brasil em 2016.

Éverton: no Grêmio desde 2012, fez sua estreia no Profissional em 2014. Campeão da Copa do Brasil 2016.

Pedro Rocha: no Grêmio desde 2013, fez sua estreia no Profissional em 2015. Campeão da Copa do Brasil 2016.

Luan: fez sua estreia no profissional do Grêmio em 2014. Campeão Olímpico e da Copa do Brasil em 2016.

Lucas Barrios: contratado esse ano pelo Grêmio, jogador da Seleção Paraguaia. Campeão Chileno (Clausura) em 2008 pelo Colo-Colo (artilheiro da competição e maior artilheiro do mundo pela IFFHS), Campeão Alemão 2010/11 e 2011/12 e da Copa da Alemanha 2011/12 (artilheiro da competição) pelo Borussia Dortmund, Campeão da Super Liga Chinesa e da Copa da China em 2012 pelo Guangzhou Evergrande, Campeão da Copa do Brasil em 2015 e Brasileiro em 2016 pelo Palmeiras.


Uma mescla de jogadores com bastante cancha e vencedores, com jogadores de meia idade e experientes, e jogadores novos.
A maioria desses jogadores jogam juntos no Grêmio ha pelo menos 2 anos (ou quase). A diferença que isso faz pra entrosamento é grande. Significa também que passaram por experiências dolorosas juntos no Grêmio. Significa que cresceram juntos como atleta. Significa que amadureceram juntos.

Mesmo com desfalques de jogadores, os que estão jogando dão tranquilidade aos meninos que vem entrando (Jaílson, Michel, Arthur, Éverton, etc). Nós temos problemas? Sim, temos. Não conheço nenhum time no mundo que não tenha. 
Eu já vi muitos times campeões, mas grupo campeão é bem difícil. Longe de mim cravar aqui que esse grupo ganhará tudo, sairá campeão de novo da Copa do Brasil ou ganhará Libertadores ou Brasileiro - apesar de ser minha maior vontade. 
Podemos discutir qualidade de jogador X ou Y, mas se me perguntarem se nós temos um time maduro que pode conquistar títulos esse ano, eu respondo que sim, temos! Pode nos faltar outras coisas ali na frente, mas maturidade e vontade de vencer, não.


23 de maio de 2017

MW Tático - A tática sem frescura no Imortal Tricolor

Caros

Sim, quem está escrevendo o prefácio desta nova coluna do Imortal Tricolor sou eu, Daniel Matador. O Seu Algoz está curtindo umas férias no Caribe e o Arigatô continua trabalhando feito um condenado para tornar o Grêmio cada vez mais forte. Então coube a mim capitanear essa bagaça enquanto isso. Tomei conta do gabinete da Diretoria e resolvi usar meus poderes de recrutador, desenvolvidos por anos de labuta no RH, e contratei a peso de ouro o analista tático revelação dos últimos tempos para ser o novo colaborador aqui do blog: o Maurício Wiklicky. Como o sobrenome dele parece nome de alienígena, ele é mais conhecido como MW. Qualquer referência ao WM, o famoso sistema de jogo implementado nos anos 20 por Herbert Chapman (em algum post futuro o MW explicará melhor o WM para os incautos) não é mera coincidência.

E falando em coincidências, o MW trabalha na mesma área profissional que eu (RH) e inclusive atua na empresa onde iniciei minha carreira profissional (coisas do destino). O foco dele serão as atuações coletivas e, por vezes, individuais nos jogos do Grêmio, analisadas com números, gráficos e dados. Nenhum outro veículo terá informações tão especiais quanto o Imortal Tricolor. O Maurício, assim como os outros blogueiros, também possui um perfil no Twitter, onde posta complementos de suas análises e interage com o pessoal. Sigam ele por lá em @mwgremio

Desejamos ao Maurício uma grande acolhida no maior blog gremista independente da internet. Sempre que vocês verem a chamada com o título "MW Tático", podem ter a certeza de que estarão acessando um material riquíssimo e exclusivo.

Saudações Imortais

**********************



A volta do Grêmio da troca de passes vertical

Nos últimos jogos acompanhamos como o Grêmio voltou a jogar de forma semelhante ao que havia feito no fim da temporada de 2016: usando a troca de bola com qualidade e verticalidade, buscando espaço em direção ao gol. Comparado com os jogos do início do ano, houve uma redução de quase 30% de troca de passes, porém com mais objetividade.  No jogo do último domingo contra o Atlético-PR o tricolor trocou 311 passes com 90% de acertos. Foram cinco conclusões a gol, sendo quatro certas e uma errada, mostrando como o time está cirúrgico neste quesito.
Isso se deve muito a dois fatores: a entrada de Arthur no meio campo, com sua alta capacidade de controle e toque de bola (parece um veterano) e o entrosamento de Barrios, fazendo as vezes de pivô. Esses dois, junto com Ramiro e Luan, são os destaques desse Grêmio que tem equilíbrio, porém possui uma meia direita de alta intensidade.


A intensidade de trocadas de bola entre Luan, Ramiro e Arthur, bem como o maior número de trocas de bola pela direita.

                                 
Estes dados são complementados se analisarmos o mapa de calor de Arthur, Luan e Ramiro. Sendo que a dupla Arthur e Ramiro se complementa e Luan se movimenta por todo ataque, abrindo espaços para quem vem de trás. Conseguimos ver a complementação de um com o outro e a grande movimentação de Luan.

Em amarelo e laranja a movimentação de Luan. Em azul a movimentação de Ramiro. Em roxo a movimentação de Arthur.
 
A dupla Arthur e Ramiro foi muito bem, porém tivemos Barrios e Luan como autores dos gols, assim como Kanneman e Geromel também ótimos (como normalmente são). Apesar da pressão e maior posse de bola do Atlético PR (58%), ele não assustou tanto. Até sobre isso fiz uma pesquisa no meu Twitter a respeito da melhor dupla do Grêmio no jogo contra o CAP e o resultado vemos abaixo. Mais uma vez o equilíbrio do time é retratado na visão do torcedor. 


Com esse resultado em mãos, resolvi analisar mais detalhadamente a dupla Luan e Barrios. Novamente Luan se aproximou mais da área, jogando mais próximo de Barrios, o que vimos nos últimos três jogos. Parece que Renato reencontrou o lugar de Luan, com liberdade para se movimentar quando Grêmio ataca, numa linha de três com Ramiro na direita e Pedro Rocha na esquerda,  fazendo a linha de dois no pressing da saída de bola do adversário. Isso mostra o quanto Luan é participativo e está longe de ser um “soneca”. O gol dele mostra muito bem isso. No momento que Arthur lança para Ramiro ele se encontra na segunda linha de defesa do Atlético PR, porém avança entre as linhas no espaço vazio aguardando o rebote, o que mostra a inteligência dele:

 


   Sobre Barrios: sim, temos centroavante, o fazedor de gols, mas não só isso, como veremos um pouco mais abaixo. Agora queria me concentrar no seu faro de gol e sua qualidade. Levantamento nos jogos da Libertadores, Brasileiro e Copa do Brasil indicam que Barrios tem 7 gols em 11 finalizações certas e 5 erradas, o que é um aproveitamento fantástico. Além de uma média geral de mais de um gol por jogo.


Os números de tentativas certas, erradas e de gols de Barrios na Copa do Brasil, Libertadores e Brasileirão. 

Mas, como disse acima, Barrios não é só um centroavante fazedor de gols, é um jogador que se movimenta, faz o pivô, atrai a marcação para abrir espaços. Junto com um meio de campo entrosado, onde Michel faz a proteção, Luan se movimenta por toda linha ofensiva, sendo o cérebro do time, onde a maioria das bolas passam, tendo a boa combinação e toque de bola de Arthur-Ramiro e o desafogo vindo com Pedro Rocha pela esquerda, vemos um Grêmio bem entrosado e treinado, tendo o chamado jogo apoiado como princípio.

 
Que o Grêmio continue assim e que as opções que estão fora do time só contribuam quando retornarem, pois com certeza Renato terá dor de cabeça para montar o time.

E aí, gostou? Tem críticas, comentários e até elogios? Posta nos comentários e fala lá no meu twitter @mwgremio